Cadê os teoremistas leitores dessa página?! Queremos todos aqui, porque hoje vamos fazer um “auê” e abrir nossos corações mais uma vez para compartilhar nossos livros favoritos, aqueles que nos deixam sem palavras ou com palavras até demais. Livros são uma porta para a imaginação e os sonhos, é um universo além do nosso. Chega mais, que hoje só tem inspiração boa 😀

  • Dona Castiele Ferreira não podia começar esse post de outra forma a não ser por uma SAGA maravilhosa.
images (6) (1)

“Harry Potter e As Relíquias da Morte”

A saga Harry Potter tem seu lugar guardado em meu coração, pois foi um dos primeiros livros que me apaixonei, mas As Relíquias da Morte tiverem um grande impacto em mim. Lembro como se fosse hoje, o dia que finalmente botei as mãos no exemplar, mesmo com um porém: era de uma amiga e ela me deu somente um dia pra ler mais de 500 páginas em apenas UM dia! Desafio aceito e desafio concluído com sucesso, só que aconteceu algo quando li as últimas palavras, tudo o que eu aprendi com o universo que J.K Rowling criou, todos os ensinamentos sobre aceitação, lealdade, perdão e muitas outras coisas, vinheram a tona de uma vez, e me peguei pensando no quanto essa mulher me ensinou através de uma história. Isso é extraordinário, o poder de ensinar e fazer os leitores crescerem como seres humanos! Então aqui deixo meu singelo obrigada a J.K, por tudo que me ensinou e por me tornar a leitora que sou hoje.

  • Salve Oliveira por sua vez, nos agracia com uma literatura brasileira não menos especial.
tieta

“Tieta do Agreste – Jorge Amado”

Caros J.K. Rowling e George R. R. Martin, seria impossível escolher apenas um livro que representasse os mundos fantásticos que vocês criaram, então me perdoem, vou ficar com um autor brasileiro. Tieta do Agreste pertence ao maior gênio literário que já nasceu em terras tupiniquins: Jorge Amado, e é uma obra tão rica que virou música, filme e novela. Pra quem nunca leu nada de Amado, eu posso garantir que o cara tem um jeito único de contar história, de tudo que já vi na minha vida inteira ninguém chegou nem perto de alcançar aqueles diálogos e o estilo de narrativa. Em Tieta do Agreste os personagens trazem características dos brasileiros que a gente conhece muito bem, com destaque pra ambição, inveja, sexualidade, preconceito e falso moralismo. O livro conta a história de uma mulher que anos depois de ser expulsa de casa (por causa de suas aventuras amorosas), volta rica e poderosa ao vilarejo em que nasceu. Antes mal falada por todos, Tieta agora é o símbolo do sucesso, mas será que ela enriqueceu como realmente conta? Vale (e muito) a leitura, teoremista!

  • Com uma pegada diferente, Monique Levy e seus HQs.
os-ratos-sem-valor-de-maus.html

“Maus” de Art Spiegelman

Escolhi esse livro por ser um dos últimos que tenho lembrança de ter lido e ter ficado realmente impressionada (acabou se tornando um dos meus favoritos)!…  A história é contada em formato de HQ, mas o ritmo é bem parecido com o de livro – o recurso visual é importante nesse caso, e adiante vocês saberão o porquê!

O cartunista Art Spiegelman conta em “Maus” a história de seu pai Vladek Spiegelman, um judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração em Auschwitz. O relato incisivo e profundo, provoca uma empatia impressionante no leitor diante de um cenário tão brutal. Além de mostrar um pedaço importante da História (a Segunda Guerra Mundial), ela é descrita de um ponto de vista curioso: nas tiras, os judeus são desenhados como ratos; os nazistas como gatos; poloneses não-judeus como porcos e americanos como cachorros. Essa interpretação do cartunista só torna a história ainda mais interessante!

Lançado em 1986 e tendo sua segunda parte sido lançada em 1991, o sucesso do livro foi tão grande que o autor foi premiado com o Prêmio Pulitzer de literatura. Até hoje é considerado um clássico contemporâneo da histórias em quadrinhos.

  • E com ele não podia ser diferente, João Mendes e seu amor por poesias.
Poemas escolhidos

“Poemas Escolhidos – Gregório de Matos”

Quando penso em um livro, automaticamente é esse que vem na minha cabeça. Acabei lendo por obrigação na época do cursinho e foi amor à primeira lida. Nunca tinha lido um livro inteiro de poemas – costumava ler algumas coisas aleatórias e sem me aprofundar muito.

Gregório é o cara para mim, e eu adoro o jeito com que ele escreve, sua acidez, seus questionamentos e principalmente suas críticas à sociedade da época escondidas em suas entrelinhas.   

Esse é o meu livro de cabeceira e sempre estou relendo, para quem gosta de poesia, pode confiar, é uma ótima leitura e eu indico muito!

  • Evelyn de Assis foi além de uma simples indicação da vida acadêmica.
(Vertical)

“Corrupção: Parceria Degenerativa”

Começo deixando um alerta necessário: sou a última pessoa deste universo a que todos devem pedir dicas sobre qualquer livro. Mesmo se insistir em querer, é bem provável que você já tenha lido ou ache a indicação bem óbvia – ainda que o que virá a seguir possa contradizer, acredite em mim. Tenho uma caixa de livros, porém em 80% deles não completei a leitura. Dos 20% restantes e lidos, escolhi o que tangencia um assunto que, mesmo há anos encrustado na sociedade, sempre explode no cotidiano de um modo diferente. “Corrupção Parceria Degenerativa” chegou às minhas mãos como parte complementar da disciplina de Legislação e Ética no Jornalismo, trazida e incentivada pela professora Maristela Fittipaldi (<3). Em 108 páginas, os jornalistas Clóvis de Barros Filho e Sérgio Praça desmembram (didaticamente) o tema em ares filosóficos e políticos, em paralelo com que o há de corruptível também no próprio cidadão. À medida que os dados vão se submetendo às exemplificações e aos fatos, determinar que “cultura explica corrupção” ainda caminha na linha tênue. Fora as referências bibliográficas que tento transferir para o meu entendimento político bem rastejante – leituras obrigatórias, diga-se de passagem. Ao mesmo tempo em que o desânimo vem nos surrar a verdade, este livro ensina a engatinhar no engajamento político necessário além dos períodos eleitorais. Assim como os autores, também desejo “boa sorte a todos nós”.

  • Para Jéssica Jansen, esse livro não é apenas um romance, mas uma história de obstáculos e de vida.
como-eu-era-antes-de-voce-1

“Como eu era antes de você”

Primeiro de tudo, gostaria de deixar claro que nada do que eu fale aqui vai expressar 100% os meus sentimentos em relação à esse livro. Esse romance conta a história de Lou e Will, ela como uma personagem cheia de problemas familiares e amorosos, mas que pensa simples, pensa no agora e é feliz por isso, ele é um tetraplégico descrente com a vida, também repleto de relacionamentos complicados tanto com a família como com a vida amorosa. Juntos, eles começam a ver a vida um do outro e um novo sentido à ela. Juntos, eles cuidam das feridas que cada um carrega para que seja mais fácil de suportar.

Essa história ganhou o coração de todos, mesmo com um final que é de abalar as estruturas de qualquer pessoa no próximo dia 16/06 a sua adaptação chega nas telonas do mundo inteiro prometendo rios e mais rios de lágrimas.

Como eu disse antes, tudo o que eu poderia falar aqui é pouco para expressar o que eu sinto em relação à esse livro, então eu só aconselho que vocês leiam e vão até o cinema mais próximo assim que estrear. Garanto que essa história pode mudar nem que seja um pouquinho a sua vida.

  • E por último, mas não menos importante: Gustavo Pimenta.
solidão

“A Solidão Dos Números Primos”

A primeira vez que li esse livro, fui arrebatado por um turbilhão de sentimentos. Me lembro de longos suspiros e de ficar parado alguns minutos no mesmo parágrafo absorvendo o que tinha acabado de ler.

O livro conta a história de Alice e Mattia, duas crianças marcadas por tragédias que irão ser determinantes na vida adulta. Mattia é um pequeno gênio da matemática e tem uma inteligência rara, enquanto sua irmã gêmea tem uma doença mental, da qual ele se envergonha. A caminho de uma festa, Mattia deixa a irmã sozinha em uma praça, por não ter que cuidar de sua irmã ao invés de se enturmar com outras pessoas – que por sua condição de “superdotado”ele tem pouco traquejo social. Já Alice fora forçada pelo pai a seguir carreira esportiva, que após uma queda, gera um problema em sua perna que a faz abandonar a carreira. Sofrendo com a constante frustração do pai, Alice se torna uma jovem com problemas alimentares.

A característica inadequação dos personagens vai conduzindo o leitor a um olhar angustiante sobre as consequências das escolhas, da solidão, dos desencontros, da culpa e da falta de comunicação no meio familiar. Dois jovens que amadurecem ao longo da história, cada um com seus defeitos, guiam o leitor a caminhos de natureza surpreendentes. É um livro da oportunidade de repensar sobre a própria vida sob um olhar de quem algum dia se sentiu um estranho.

Gostaram dessa surra de cultura, teoremistas?! Semana que vem tem mais #RodadadoDia, enquanto isso, conta aqui pra gente qual é o seu livro favorito 😀