Salve, teoremista! Mais uma rodada do dia e mais um pouquinho de nós para que vocês possam nos conhecer melhor. Aqui, já somos uma família e toda semana tem um papo para que a gente troque figurinhas! E o que falar de um show que sempre tivemos vontade de ir e por algum motivo ainda não fomos? Essa é a matéria de hoje no #entretendo bem musical do Teoremas de Bar. Sente o feeling e vem com a gente 🙂

  • Se é pra começar lacrando, vamos de Adele com João Mendes.
ADELE

Adele Live 2016

Não sou o tipo de pessoa que possui um ídolo ou que segue minuciosamente os passos de um artista e/ou banda. Gosto de música, de todos os tipos, sou mais de momentos musicais do que um gênero específico.

Mas quando o assunto é show, não existe nenhum outro que eu gostaria de ver tanto quanto o live da Adele. Sinceramente, acho ela incrível e pelo que acompanho da sua carreira, musicalmente, é uma artista impecável. Seus shows tem arrastado multidões e está sendo bastante elogiado. Com uma performance simples, jogo de luzes, somente ela no palco e toda aquela potencia em sua voz, faz com que eu realmente sinta vontade de gastar todas as minhas economias para ver de pertinho esse espetáculo.

Adele é sem dúvida alguma uma das maiores revelações musicais da atualidade, e a pegada do seu show é algo que eu gosto bastante, tudo simples, sem muitos adereços, aquela velha história do menos é mais. Espero que ela venha com essa turnê para o Brasil!

  • Um clássico e magnifico show, por Monique Levy.

Paul McCartney

Sou fã dos clássicos, e Paul McCartney, além de ser um ex-Beatle (e só isso já é motivo suficiente para eu querer ir), possui uma carreira solo com singles consagrados nos anos 70, 80 e 90, de dar inveja em qualquer artista do mundo Pop e Rock atual. Suas composições junto com a Linda McCartney são lindas e boas de cantar, imagina no show? <3
Das últimas vezes em que ele trouxe seu show para o Brasil, não pude ir mas estou torcendo para que ele venha novamente para que eu possa fazer parte do coro de “na na na na na na naaaaaa, na na na naaaa, HEY JUDE!” 🙂

  • Casty Ferreira revive o sonho de qualquer adolescente dos anos 2000.
635580535971971189-Main-BackstreetBoys

BackstreetBoys

Como toda criança nascida nos anos 90, minha adolescência foi ao som de Backstreet Boys. Desde que me conheço por gente escuto essa Boy Band que foi um verdadeiro sucesso mundial no final da década de noventa e apesar do grande amor que sinto por eles, nunca tive a oportunidade de ouvir ao vivo as músicas que até hoje tocam meu coração e me fazem chorar. Como toda boa fã, tenho o meu preferido: meu amor de infância Brian rsrs. Suas canções até hoje se mantém na minha PlayList  e me fazem sempre ter boas recordações dos momentos que vivi embalada por seus hits. Tenho certeza que com o novo Cd vindo por ai, eles irão trazer sua turne ao Brasil e dessa vez não perderei minha oportunidade de cantar com eles “ I Want It That Way”

  • Sempre ele para nos trazer o melhor da Música Popular Brasileira, Salve Oliveira.
redescobrir

Maria Rita

Não vou olhar pro presente nem pro futuro, desculpa. Não vou pedir show caro, nem internacional. Eu sou humilde, dona #rodadadodia, e só queria voltar um cadinho no tempo. Já que tá liberado sonhar, quero ir pra 2012 em um show da Maria Rita. Mas veja bem, não é qualquer show da Maria Rita, é especificamente o show em que ela gravou o DVD da turnê ‘Redescobrir’. Já assisti aquilo um milhão de vezes e provavelmente assistirei outro milhão.  

Em ‘Redescobrir’ Maria Rita canta músicas que foram interpretadas por Elis Regina, sua mãe. Como todo mundo sabe, Elis foi uma das maiores intérpretes da música brasileira e lá no início dos anos 2000 a filha dela se lançou como cantora também. O início da carreira foi um inferno, Maria Rita teve que carregar a sombra de Elis por muuuuuito tempo (nota: elas nunca tiveram uma relação tão mãe e filha assim). Por isso que pra mim esse show é especial, Maria Rita trabalhou anos até todo mundo entender que ela era tão boa quanto a mãe (acho que até melhor, mas eu não sou de levantar polêmicas) e só quando tinha uma carreira consolidada se sentiu confortável pra revisitar Elis.

A turnê fazia parte de uma homenagem aos 30 anos de morte de Elis Regina e a energia que rolou naqueles shows não é humana. Me corto de raiva cada vez que penso que por pura alienação eu perdi uma coisa dessas (foi um projeto da Nivea e alguns shows eram gratuitos). Oh, poderosa #rodadadodia, trazei de volta ‘Redescobrir’ que eu prometo ser o primeiro tonto da fila quilométrica.

  • Trazendo o bom e velho Rock’n Roll Gustavo Pimenta
caso não possam usar o vídeo que está no texto

Nine Inch Nails

Falar de um artista vivo que eu gostaria de ir é falar da minha banda favorita. Mesmo que os caras já tenham vindo para São Paulo uma vez (e no penúltimo Lollapalooza), na época não pude ir. Já houveram tentativas de vir para o Rio, mas por não haver nenhuma casa de show que comportasse seu espetáculo, todos as tentativas falharam. Nine Inch Nails sempre foi para mim fonte de referência para vários campos da minha vida. Trent Reznor, é a cabeça, corpo e a alma do NIN. Sendo o único membro fixo, ele compõe, escreve, produz e ainda é multi-instrumentista. Trent é visceral na hora de compor e por isso suas músicas, inspiradas nos anos mais obscuros da sua vida, tem a capacidade de dar voz ao que há de mais primitivo em nós.

ps: Não pretendo morrer sem antes ver NIN

  • E fechando nossa seleção Evelyn de Assis vem trazendo aquele que embala nossos ” Dias Frios”
Djavan

Djavan

Desde o primeiro álbum, lançado em 1976, até o ano de 2015, nem todos os tempos verbais serão capazes de conjugar o verbo “djavanear” em qualquer circunstância. Cada uma das letras de Djavan desperta sensações bem distintas. Nessa via de mão dupla, há quem reconheça as características da cultura local do alagoano, como também os que julguem ser complexo ou sem sentido. Não preciso nem falar que eu me encaixo no primeiro grupo e pontuo cada momento da minha vida com uma canção de Djavan. Afinal, o que esperar de alguém que numa esquina nos faz acreditar que “um é par de dois”? Apenas ir muito além do “pagar para ver” cantar uma das maiores vozes da música popular brasileira.

Então Teoremistas, quais são os shows que você gostaria de ir pelo menos uma vez na vida? Conta pra gente =)