E aí, teoremistas, começar essa semana com feriado e novas dicas de livro é a melhor coisa né?! Como todo bom leitor, sempre estou em busca de novas histórias e hoje me veio esse livro inspirado em jogos de RPG que é simplesmente fantástico! Chega mais, que eu vou te contar o que tem de bom nessa história.

Sinopse: Valdar é um mundo vasto e antigo, um universo habitado por povos profundamente diferentes entre si, que, ao longo dos séculos, foi sendo delineado pela beleza de suas civilizações e pela terrível e ancestral violência de suas guerras. Nessa impetuosa mistura de destinos de Valdar, a vida do jovem soberano Manatasi parece transcorrer ao largo dos grandes eventos que forjam a história do lugar. Porém, tudo está a ponto de mudar. A conclusão da construção de Kemyss, a babélica cidade da esperança, faz com que o Príncipe inicie uma jornada rumo aos majestosos muros da cidade, e, assim, dará início a uma grande viagem de descoberta. Manatasi deixa para trás suas florestas junto a Sirasa, fiel xamã de espírito irrequieto, e passará por aventuras e batalhas durante seu caminho.”

O mundo criado por Mark menozzi é incrível. Toda riqueza de detalhes que são dados te fazem literalmente mergulhar nesse cenário. O livro é dividido pelos pontos de vista de cada personagem, e com isso além de saber ver versões diferentes do mesmo evento, nos mostra o quão grande e magnífico esse mundo é. Como os inimigos são muitos, é muito perceptível que esta história nasceu de um verdadeiro fã de RPGs. Há muita trama, muitos monstros/demônios e um monte de ação com cenas deslumbrantes e realistas. É bem interessante que todo o livro gira em torno da necessidade de proteger duas crianças muito especiais e com grandes poderes mágicos que podem vir a salvar o mundo ou destruir ele de vez.

Manatasi é simplesmente cativante, com seu senso de honra e justiça não tem como não se ver logo envolvida pelo protagonista, e seu amigo/xamã é o melhor personagem pessimista que eu já vi HAHAHA, mas ele não é somente isso, em muitos pontos da história ele traz sabedoria e palavras de coragem.  

Os personagens mais intrigantes são, sem dúvida, os dois irmãos elfos Gulneras e Kenna. Um decidiu embarcar na jornada de redenção, o outro anda na fronteira entre o bem e o mal. Um escolheu iniciar sua missão de liberdade, o outro não está disposto a desistir de sua independência para o mundo. Talvez. Temos Maugis, velho guerreiro e herói de grande fama (achei que o personagem poderia ser mais bem aproveitado, embora tenha uma importância grande na história). A história de Audacia, misteriosa garota que não lembra de nada do seu passado, mas que tem um grande poder. Existem muitos pontos de interrogação com ela, que pode vir a ser esclarecidos na continuação.

A história que foi criada, com as diferentes raças e etnias flui muito bem, tudo parece um pouco fora de contexto nos primeiros capítulos, mas depois que você chega ao final percebe todas as conexões que o autor faz desde início. Uma história muito bem amarrada. A única coisa que me incomodou bastante é que o título do livro não se referia ao Manatasi (e isso porque o protagonista batia com a descrição) e somente no final sabemos quem de fato é o “Rei Negro”. Infelizmente a continuação até hoje não foi lançada, mas como diz o ditado “A esperança é a última que morre”.