Foram selecionadas 20 bandas independentes para o WebFestValda 2017 em julho. Na edição passada da coluna Independentes, Graças a Deus, nós te apresentamos 10 delas e você já entendeu como o nível dos participantes é elevadíssimo. Agora, é a vez de conhecer as demais. Os ritmos são variados e a certeza que temos é que o palco da Fundição Progresso vai tremer com tanto talento. Vamos conhecer um pouquinho mais de:

Mulamba

Para abrir essa matéria, as meninas empoderadas da banda Mulamba fazem um som de alto nível. “Quando fizemos a inscrição, pensamos muito na grandiosidade e na relevância do festival… A energia do WebFestValda é ímpar! A Mulamba está preparada para se entregar, depositando muita potência, fortaleza e firmeza em cima do palco”, disse a baixista Naíra Debértolis. Completam a Mulamba: Amanda Pacífico (voz), Cacau de Sá (voz), Caro Pisco (bateria), Fer Koppe (violoncelo) e Nat Fragoso (guitarra). Mulamba é 100% feminina e vai do rock à MPB. Incialmente, as meninas do Paraná fariam somente um tributo à eterna Cássia Eller, mas a sintonia fluiu de forma única que fez a banda continuar (e o público agradece). O clipe de P.UT.A, por exemplo, já ultrapassou 75 mil visualizações.

Elas se inscreveram no WebFestValda com a música Mulamba, que, por sinal, é ótima, mas eu adorei a Provável Canção de Amor Para Estimada Natália. Tenho certeza que você também vai amar também! Ah, e elas estão no Facebook e no Instagram.

Machete Bomb

Essa galera que mistura rock com samba também vem do Paraná. A banda formada por Salmazo (vocal), Madu (cavaquinho), Rodriguinho (percussão), Suspiro (baixo) e Dani (bateria) surpreende ao unir o rock pesado com instrumentos que remetem a brasilidade como o cavaquinho. Suas músicas se destacam por fazerem criticas sociais e retratarem o dia-a-dia nas letras.

Você pode encontrar a banda no Facebook e assistir ao vídeo de Tiro e Queda, a música inscrita no Festival aqui.

Banda Matilda

Assim como a Mulamba, a Banda Matilda é formada por mulheres. Juliana Stanzani (voz), Bia Nascimento (violão), Fabrícia Valle (percurssão) e Amanda Martins (flauta) dão vida a essa banda que desde 2008 conquista o público de Juiz de Fora e sul de Minas. Em julho, elas serão acompanhadas também por Marcelo Mattos (baixo) e Thales Scoton (bateria), que estão presentes desde a gravação do CD Patuá, lançado em 2016. Com uma música que te leva a dançar e viajar, no melhor sentido figurado da palavra, a Matilda é cativante.

A banda está no Facebook e você pode conferir Degradê Em Lua Nova logo abaixo.

Etcoetera

Juiz de Fora é mesmo um grande celeiro de talentos. Aqui no Teoremas, alguns artistas da cidade já deram as caras como a Etcoetera, que foi entrevistada no final de abril quando os meninos realizaram um show no bairro de Santa Tereza, no Rio. Agora, eles retornarão à cidade para se apresentar no Palco da Fundição Progresso. O som da banda, formada por Eduardo Fávero (voz e violão), Vinícius Vieira (baixo) e Felipe Balut (bateria), é plural. Você escuta as influências da MPB, do reggae, do samba, do pop e de outros elementos. Eles ainda serão acompanhados por Beto Grizendi (guitarra), Advar Medeiros (saxofone), Rafael Souza (trumpet) e Daniel Morais (teclados).

A Etcoetera está no Facebook e demais redes. Para ouvir o som bacana desses mineiros, basta dar play no vídeo abaixo e ser contagiado por Ana Rosa, música do CD Céu Grande.

Madame B

A Madame B chama atenção por fazer boas releituras de músicas nacionais e internacionais com uma pegada única. No entanto, a banda carioca também possui músicas autorais, levando para o palco muito rock n’ roll. Quem dá voz a banda é Bárbara B com uma voz grave e timbre que chamam atenção. Ela é acompanhada por Bruno Franco (guitarra), Diogo Souza (baixo) e Markinho Alves (bateria).

Eles estão no Facebook e você pode curtir um pouco de todo o rock da Madame B no vídeo abaixo, Parabéns é a música autoral inscrita no WebFestValda 2017.

Jerry Matarazzo

A banda Jerry Matarazzo vem do Rio de Janeiro, sendo formada pelos brasileiros Thiago Maia (voz), Paulinho Fillho (guitarra) e Anderson Mendonça (baixo), além do português Gonçalo Jorge (bateria). Para eles, “é um imenso prazer participar do WebFestValda, pois reconhecemos sua importância na exposição de novos trabalhos e também na troca de experiências entre artistas de diversos pontos do Brasil.” Os rapazes lançaram o primeiro álbum em março de 2017. Intitulado Jerry Matarazzo, ele conta com 10 faixas e participação do Mr. Catra. A banda, que faz um pop rock cheio de misturas e livre de estereótipos, teve o seu nome inspirado pelas histórias do Sr Jherry, na verdade, Miranda, o pai do vocalista, que se apresentava como deputado, advogado ou qualquer título que o concedesse alguma vantagem no momento, fazendo com que portas se abrissem e pessoas o reverenciassem.

No seguinte link, você pode assistir Menina, o primeiro clipe do álbum de estreia da banda. Ah, e não se esqueça de seguir os rapazes no Facebook.

Trinato

A Trinato vem de Taguatinga, no Distrito Federal, e também já passou aqui pelo Teoremas. O Salve Oliveira tem o ouvido tão afiado, que entrevistou os caras há algumas semanas antes de a gente saber quais bandas seriam selecionadas. Eles se destacam por serem versáteis, fazendo reggae e rap com influências do jazz e do soul, além de realizar critica social afiada como na música Bling!, inscrita no Festival. A banda é formada por Artur Braga (voz), George Silva (voz e violão), Augusto Zulú (teclado), Jessé Mateus (baixo elétrico), Fernando Coimbra (guitarra) e Igor Lisboa (bateria).

Você pode acompanhar os rapazes no Facebook, além de ouvi-los no YouTube. Certamente, você vai adorar!

Saci Weré

Saci Weré é mais uma banda do Distrito Federal, ela vem de Brasília e já teve alguns nomes e formações até chegar ao que conhecemos hoje. Saci Weré é formada por uma galera muito talentosa: Christofer Barea (vocal), Alan Abacate (violão), Gui Campos (guitarra), Pedro Gabriel (bateria), Hélio Devadatta (percussão), Danilson Oliveira (baixo), David Ramos (sax barítono) e as meninas Amanda Machado e Aline Marcimiano como backing vocals. A Saci Weré dialoga com diversos ritmos, desde africanos até latinos, uma mistura que dá uma brasilidade singular ao som da banda, além de um groove incrível. Sobre o festival, “é uma honra ter sido selecionados e ter a oportunidade de compartilhar o nosso trabalho com o Brasil nesse Festival tão lindo, em meio a toda essa diversidade artística, cultural e regional. (…) Arte é isso – é antropofagia, é troca, diálogo e diversidade”.

No link abaixo, você pode conferir a música “Atrás do olho” e conhecer um pouquinho mais da sonoridade dessa banda do Planalto Central. Ah, e não deixe de segui-los no Facebook.

Mestre Madruguinha

Para representar o nordeste, a banda Mestre Madruguinha vem de Aracaju/SE. Eles unem diversos ritmos, indo desde o carimbó, típico da região Norte do Brasil, até gêneros como a cumbia, a salsa e o reggaeton, populares em toda a América Hispânica. Eles ainda possuem uma pegada do samba, do reggae e do rock. Uma verdadeira fusão entre ritmos latinos, brasileiros e globais. A Mestre Madruguinha é formada por Everton Cardoso (voz), Jeca Doce (voz), Adão Alencar (voz e percussão), Marreta (guitarra), Alex Macedo (percussão), Chukro (baixo) e Edvan Aragão Santos (bateria). Para eles, o anuncio do Festival causou surpresa e grande empolgação. “A expectativa é chegar e fazer nosso melhor, que é celebrar, alheios a qualquer ideia de competição. Pois o prêmio, de certa forma, já ganhamos, que é participar da festa. (…) Torcemos para que nossa ida sirva também para abrir a porteira a toda essa galera talentosa daqui de Sergipe.”

Confira agora a música Coração Quer Mais, presente no CD homônimo da banda lançado em novembro de 2016. Mais uma vez, eu te desafio a ficar parado. Aqui é impossível! Além disso, siga-os no Facebook.

Bando Azzul

Para finalizar essa edição especial da coluna Independentes, Graças a Deus, temos o Bando Azzul. Esse trio é encabeçado por Heberth Azzul, um importante nome da MPB no estado de Alagoas. Ele possui músicas gravadas por Elba Ramalho e Alceu Valença, além de projetos com Marcelo D2 e Gilberto Gil. Azzul será acompanhado por Fábio Batista no baixo e Will Gomes na bateria.

Você pode conferir um pouco dessa MPB singada no vídeo a seguir. A música Maracasamba é composição do próprio Azzul.