– Opa, dá licença, pode entrar? Aqui é o…

– Pode, estava te esperando. Coloca a auréola ali em cima e já alcança aquele croqui mais perto da parede. Esse, isso, cuidado que tem outra parte.

– Nossa, grande né?

– É, duas vezes Chernobyl. Já pega a régua e escreve enorme “Barra da Tijuca” em cima.

– Letra de forma?

– Não, faz uma de cada com a mão esquerda. Isso, agora derrama um pouco de suco em cima. Perfeito. É bom a gente deixar o título bem cagado pra combinar.

– Qual é a escala?

– Não precisa de proporção, não vai ter proporção. Começa apagando esse mato todo que tem aí, mas usa aquela borracha laranja com azul. Agora, vai deixando uns pedaços de vegetação e uns jacarés escondidos. Escreve na legenda “área de preservação ambiental”.

– Mas é área de preservação mesmo?

– Porra nenhuma. É tudo planta que boia. A gente inclui pra deixar bem merda mesmo.

– Desenha casa?

– De jeito nenhum. Bota só condomínio fechado e deixa um bem longe do outro. Assim não, coloca três juntos e joga o seguinte 23 km pra frente.

– Põe alguma coisa nesse espaço?

– Só asfalta e instala uma iluminação deficiente. Pensa que tem que ser o cenário ideal pra uma cena de estupro.

– Mas aí ficou muita coisa vazia.

– Quantos por cento?

– Mais de 60.

– Ótimo.

– E bota praia?

– Bota. Só que mais pra lá.

– Aqui?

– Mais pra lá.

– Aqui?

– Não, bem mais pra lá. Deixa longe de todo mundo, mas perto o suficiente pra eles dizerem “na Barra tem praia”.

– Eles quem?

– Os emergentes que vão morar aí.

– Ricos?

– Sim, mas não muito.

– Quanto?

– Com dinheiro suficiente pra desprezar a Tijuca, mas com menos zeros do que o necessário pra morar bem no Flamengo.

– Vai ter famoso?

– Só ex-vencedor de Big Brother.

– E como chega?

– Aí é que tá. Não chega.

– Ué, não chega no Bairro?

– Quer dizer, chega, mas demora tanto que parece não chegar.

– Vou colocar só ônibus então.

– Começa com ônibus, depois desenha dois ônibus colados em um só e ali na ponta um metrô. Mas nesse último faz um asterisco pra daqui a 30 anos.

– Mesmo assim vai continuar difícil de chegar?

– Claro que não. De quatro horas vai sair no máximo em duas. Tem que ser o tempo necessário pra pessoa chorar e gritar “Senhor, será que nunca chega na Barra???”.

– Só não entendi esses dois ônibus juntos. É um do lado do outro?

– Não, um atrás do outro. Tira também um motorista e coloca uma borrachinha no meio. Assim, perfeito. Agora cabe mais gente.

– Duzentos, né?

– Quatrocentos e noventa. Quem vai usar tem ossos flexíveis.

– E os ricos vão topar viajar com tanta gente?

– Que ricos? O BRT é só pras empregadas chegarem na hora. Os ricos vão de carro. Já colocou carro?

– Botei aqui no meio.

– Dobra. Tem que ter mais carro do que gente. Lá ninguém anda a pé.

– Rico, praia, carro. É Zona Sul, né?

– HAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA HAHAHHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHHAHA ai, garoto, para.

– Tem entretenimento?

– Bota shopping e lugar pra show. Teatro não precisa. O que você tá fazendo? Não, não, deixa os nomes em inglês. Tem que parecer tudo meio americanizado

– Isso me fez lembrar de uma coisa.

– O quê?

– Esquece, é besteira.

– Fala, menino.

– É que quando criança eu sempre sonhei em desenhar os Estados Unidos. Acho tão lindo.

– Não seja por isso, coloca uma Estátua da Liberdade aí em algum lugar.

– Sério?

– Sério, mas tem que ser de plástico e bem risível aos olhos de quem mora nos outros bairros.

– Assim tá bom?

– Tá péssimo. Continua. Prepara mais uma casa de show, só que essa tem que ser pra quem não mora no bairro.

– Pode ser bem grande e meio boate? Aqui na ponta tá bom? “Barra Mú-si-ca”, opa, “Mu-si-c”

– Ótimo, ótimo. Bota só nas regras que o traje é tubinho preto ou bermuda com camisa polo.

– As meninas podem tirar foto abraçadas?

– Não, nada disso. Empilha todas num ângulo de 45 graus com as mãos nas cadeiras. E pros homens coloca mais uma garrafa de vodca em cada braço.

– Vou molhar bastante o chão.

– Ótimo, o pé tem que ficar bem imundo na hora de voltar pra Curicica.

– Agora focando um pouco mais no meio. Faz Guanabara?

– Faz, mas é um só, senão afeta muito o orgulho deles.

– Nas esquinas pode desenhar padaria ou comércio relevante?

– Que esquina? Na Barra não vai ter esquina.

– O que são esses espaços de dois andares cheios de galeria? É prédio comercial ou shopping?

– Não é nenhum dos dois e é os dois ao mesmo tempo. Tô achando até que tem pouco. Triplica e coloca uma petshop em todos.

– Faltou só nomear as ruas.

– É verdade. Anota, “A-ve-ni-da das A-mé-ri-cas”. Xoxa tudo aí e o que sobrar você joga na Ayrton Senna.

– E as outras ruas?

– Que ruas?

– Cara, tô achando que ficou meio bagunçado.

– Que nada, era assim mesmo que tava no briefing.

– Mas Deus está de acordo com isso?

– Deus?

– É, Deus, o arquiteto do Universo.

– Qual o seu nome?

– Gabriel, o novo estagiário de Projetos Celestiais.

– Vixe, Gabriel, então você entrou na sala errada. A construção da Barra está sendo tocada pelo Diabo.