Com estreia na última quinta (05/10), O Melhor Professor da Minha Vida traz importante mensagem sobre os métodos de educação, principalmente em escolas ‘públicas’. A direção e o roteiro ficaram a encargo de Oliver Ayache-Vidal, também diretor do curta-metragem ‘My Last Role’ e, embora o filme traga temáticas muito pertinentes, a superficialidade de alguns assuntos atrapalham a fluidez da história.

François Foucault (Denis Podalydés) é professor de literatura de uma das escolas mais bem conceituadas de Paris, a Henri IV. Seu método de ensino exige excelência dos alunos e aqueles que não atingem o nível esperado pelo professor são tratados com total descaso. Em uma conversa com Agathe (Zineb Triki), funcionária da Secretaria de Educação, sobre o ensino oferecido nas escolas públicas surge um mal entendido e, como consequência disto, ele é convidado para lecionar em uma escola pública na periferia de Paris.

A relação de François com os alunos se desenvolve de forma totalmente diferente da demonstrada na primeira cena do filme. O professor deixa o autoritarismo de lado e decide, depois de muita dificuldade, ensinar ‘do jeito que os alunos aprendam’. Com isso, ele passa a se importam com o desenvolvimento do aluno e até com o comportamento de alguns professores e regras da escola.

Seydou (Abdoulaye Diallo) é o aluno que apresenta mais resistência ao professor e, consequentemente, o maior desafio para François. A relação construída pelos dois personagens acaba se tornando a trama central da história e são mostradas diversas situações que a escola está despreparada para lidar com a realidade dos alunos. Um embate é criado, entre os professores e surge uma discussão sobre valores e, principalmente, sobre os métodos usados.

Outra questão abordada com grande ênfase é a presença de imigrantes na periferia de Paris. A filme insere, no ambiente escolar, diversas culturas e mostra os conflitos que se formam a partir disso. A falta de perspectiva, tanto dos pais, como dos alunos em conseguir algo melhor, devido a situação em que se encontram faz com que o longa leve uma mensagem a todos os espectadores.

Embora o filme tenha muitos aspectos positivos e passe uma mensagem importante, o roteiro apresenta algumas falhas, principalmente quando se trata da  conclusão de alguns enredos criados e, até de situações que não agregam ao filme. Sobretudo, essas falhas não tornam o filme menos atraente e vale a pena assistir e se conscientizar sobre os assuntos discutidos, levando em conta as dificuldades que passamos a cerca da educação, qualquer vislumbre de melhora é significativa.

Assista ao trailer do filme: