No último mês, se você se deu ao trabalho de entrar na Internet ou ouvir o rádio, posso garantir que uma coisa esteve em sua cabeça: “Havana, oh na na…”. O mais novo single de Camila Cabello, Havana, está tocando em todos os lugares. A música já estava gerando muita repercussão, mas com o lançamento do clipe, dia 24/10, o sucesso foi tremendo, conquistando cerca de 95 milhões de visualizações em apenas uma semana. O vídeo é quase um curta, que, segundo a cantora, é “dedicado a todos os sonhadores”.

O roteiro conta a história de Karla (para quem não sabe, o nome de Camila é Karla Camila Cabello Estrabao), uma menina sonhadora, que mora com sua avó, de uma família latina, que adora telenovelas. Karla ama tanto o mundo da ficção, que muitas vezes esquece de viver a vida real. E, então, é quando decide assistir ao filme “Havana”, que está passando no cinema, estrelado por Camila. Ambas as garotas são interpretadas por Cabello. Portanto, o clipe, dirigido por Daves Meyers, mostra as duas versões da cantora, nascida em Cuba.

Mas, Havana não é a única música lançada durante seu projeto solo. Um pouco depois de anunciar sua polêmica saída da banda Fifth Harmony, Cabello disse que já estava trabalhando em seu primeiro álbum sozinha. No primeiro momento, a cantora de 20 anos, disse que o projeto se chamaria The Hurting. The Healing. The Loving e contaria com os primeiros singles, Crying in The Club e I Have Questions. A segunda música fez sucesso entre seus fãs, já que mostrava uma faceta mais íntima e pessoal de Cabello, que poucos já tinham visto. Entretanto, nas paradas, as músicas não emplacaram tanto.

Junto de Havana, foi lançada a faixa OMG, ambas em parceria com rappers – Young Thug e Quavo, respectivamente – e com a identidade visual idênticas, a não ser pela diferença de cores: a primeira é vermelha, enquanto a segunda é amarela. Acho que isso significou uma repaginada na breve corrida solo de Camila e, aos poucos, foram surgindo rumores sobre o caminho que estavam tomando com a produção de seu álbum.

Camila no Instagram: “No Halloween, me fantasiei da garota tentando terminar seu primeiro álbum.”

A primeira hipótese, que está cada vez mais confirmada, era que Camila iria deixar de lado a ideia inicial de um som mais R&B e sutil para uma pegada pop, com a veia latina bem marcada. Dessa maneira, Havana é um excelente exemplo do que podemos esperar desse seu primeiro álbum. Além da mudança de estilo, fortes boatos que o álbum mudará também de título, passando para um trabalho com o próprio nome da cantora.

Cabello anunciou seu álbum e começou a divulgar a faixa de estreia, Crying in The Club, em maio. Até então, tivemos a estreia apenas dessas outras três músicas, promessas e mais promessas de um álbum – que há 5 meses atrás estava bem no seu início – e mistérios em relação a qual caminho a cantora irá escolher. Acredito que essa pressa em lançar Camila em sua carreira solo, apesar da falta de definição e com muitas escolhas ainda a serem feitas, foi uma tentativa da gravadora em aumentar o sucesso da jovem. Afinal, se muito tempo passasse desde sua saída do Fifth Harmony, Cabello corria um grande risco de “esfriar”. Entretanto, creio que alguns meses a mais de planejamento não faria tão mal à sua carreira.

Cantora em anúncio da Guess, onde é a nova garota propaganda.

Agora creio que as coisas estão mais estáveis, apesar de ainda não estarem totalmente claras. O ritmo dançante e latino de Havana realmente deve ser a base de sua carreira daqui para frente. Afinal, não teria como ser diferente, já que foi com essa música que a cantora conseguiu seu primeiro #1 nas paradas de sua vida, no charts do Reino Unido.

Sem nenhuma data ainda divulgada para lançamento, não temos nada a fazer além de esperar novas músicas e novos anúncios da cantora – que está cada vez com um número de seguidores maior e fechou um recente contrato com a Guess para ser a nova garota propaganda. Só sucesso!