Com direção de Stephen Chbosky e roteiro pelo diretor, pelo Steve Conrad e Jack Thorne, o filme é uma adaptação da obra literária de R.J. Palácio. Auggie Pullman (Jacob Tremblay) é um garoto de 10 anos que sofre com a Síndrome de Treacher Collins, que causa deformações faciais. Durante os seus poucos anos de vida Auggie passou por 27 cirurgias plásticas, para conseguir enxergar, falar e ouvir sem a ajuda de aparelhos. Durante todo esse tempo o contato de Auggie com o mundo se reduzia a sua família e aos vários médicos que o garoto visitava. Entretanto, sua Isabel Pullman (Julia Roberts), mãe de Auggie, decide que já é hora dele frequentar uma escola regular.

O medo de enfrentar tantos olhares novos e de ficar sozinho assombram Auggie no primeiro dia de aula. Na porta da escola Nate (Owen Wilson), pai de Auggie, procura tranquilizar o garoto. Durante os primeiros momentos dele na escola, ele descreve suas emoções e suas inseguranças a respeito dessa nova fase. Esse tipo de narração do personagem é usado em muitas partes do filme por diferentes personagens. O estranhamento é imediato. Ainda na primeira aula, Jullian (Bryce Gheisar), um dos garotos mais populares do colégio, pratica bullying com Auggie, que durante muito tempo aguenta os insultos destinados a ele. Todos os conflitos que Auggie tem que enfrentar no colégio são relacionados os bullying e em muitos dos casos, os alunos que realizam essas ações contra o personagem, não entendem a gravidade das “brincadeiras” que eles fazem.

Mesmo com os primeiros momentos conturbados, surge espaço para uma amizade. Jack Will (Noah Jupe) é o primeiro a se sentar com Auggie na hora do intervalo. A amizade surge depois de uma prova de ciências em que Auggie ‘passa cola’ para Jack. A criação da amizade dos personagens e, posteriormente, a narração do Jack que revela a forma como a amizade dos dois se tornou importante trazem umas das principais mensagens do filme e do livro. “Não julgue um menino pela cara” é a frase que estampa a quarta capa do livro e a que rege todos os acontecimentos do filme.

Embora o filme tenha um personagem principal bem definido, as histórias daqueles que cercam Auggie não são esquecidas. Para isso, o filme apresenta alguns ‘capítulos’ para esses personagens, de modo que, podemos ter conhecimento do sentimento de cada um. Via Pullman (Izabela Vidovic) é a irmã mais velha de Auggie. A relação dos dois nunca foi conturbada, pelo o contrário, Via pediu um irmão e suas ações durante o filme apenas afirmam o amor que ela sente por ele. Contudo, Auggie sempre necessitou de uma atenção redobrada dos pais, e Via se viu, durante muito tempo, sozinha. A morte da sua avó, interpretada por Sônia Braga, foi um choque para ela. Na volta no período letivo, o distanciamento de sua melhor amiga, Miranda (Danielle Rose Russell), foi a gota d’água para que ela se fechasse completamente.

Durante a narração de Via, percebemos sua luta interna entre querer quebrar essa barreira e contar aos pais sobre o que está sentindo e esconder esse sentimento com medo de ferir os sentimentos de Auggie. A aproximação de Justin (Nadji Jeter) e a participação do clube de teatro da escola, fez com que Via perca o medo de se reaproximar dos pais e fez com que Isabela e Nate percebessem o quanto estavam distantes da filha. Outros personagens ganham um ‘capítulo’. Entre eles, estão Miranda e Jack Will, os dois personagens têm momentos de tensão com os irmãos Pullman, mas através dessa narração, percebemos que para que a mensagem que o filme quer passar seja recebida não há espaço para um vilão.

Toda a história te faz chorar. A luta pela aceitação que é imposta ao Auggie por alguns dos seus colegas de classe, o surgimento de uma nova amizade, o fortalecimento da família, e, por incrível que pareça, a morte de Daise, a cadelinha da família, são perfeitamente inseridos no roteiro da história e te levam as lágrimas sem você nem perceber. Para quem leu o livro as lágrimas não foram novidade. Eu cheguei desarmada ao cinema, sabia da história e sabia o quanto eu sou chorona, só não esperava que antes de 30 minutos de filmes eu já teria derrubado lágrimas equivalentes a um ano, e não é exagero. Mesmo que seja um filme que mexa com as estruturas do público, a história não deixa um gosto de tristeza ao final.

O filme tem estreia marcada para a próxima quinta-feira, dia 7, mas você já pode conhecer um pouco mais dos personagens e da história assistindo ao trailer: