Na semana passada, apresentamos a primeira parte (leia aqui) da lista que relembra quem se destacou musicalmente em 2017. Hoje, vamos falar do pop empoderado da IZA, o reconhecimento de Dona Onete e do “CheckMate” Anitta, além dos bons lançamentos de Criolo, Boogarins, Xênia França e outros. Confira:

Francisco el Hombre, a banda foi indicada ao Grammy Latino 2017

IZA, a aposta do pop brasileiro

O pop brasileiro ganhou uma figura cheia de representatividade e empoderamento, a cantora IZA. O single “Pesadão” já tem mais de 15 milhões de reproduções no Spotify e quase 45 milhões de visualizações no YouTube. Em 2018, tudo indica que IZA continuará em ascensão.

O êxito de “Louca, Triste ou Má” de Francisco, el Hombre

O disco “SOLTASBRUXA” foi lançado em 2016, mas uma música dele ganhou grande repercussão em 2017. “Triste, louca ou Má” é trilha sonora de novela e já conta com mais de 4,5 milhões de visualizações no YouTube. Além disso, o grupo foi indicado a categoria de “Melhor Canção em Língua Portuguesa” no Grammy Latino 2017, a primeira banda independente a conseguir o feito.

“Mulamba”, um hino feminista

Formada por seis mulheres, a banda paranaense Mulamba lançou o clipe da música homônima em julho. A letra forte é um manifesto feminista e o clipe é tão forte quanto. As meninas lutam pelo protagonismo feminino.

Dica “Pela Rua” – Olha, que máximo! Na próxima sexta-feira (12), a banda Francisco, el Hombre se apresentará no Circo Voador e o show de abertura ficará por conta das meninas da Mulamba. Ainda tem participação de As Bahias e a Cozinha Mineira e Clarice Falcão.

  • Quando: 07 de novembro de 2017, às 20h30
  • Quanto: R$ 40 (meia solidária)
  • Onde: Circo Voador (Rua dos Arcos, s/n – Lapa, RJ)

Mulamba se apresentando no WebFestValda 2017.

Criolo voltado ao samba

Criolo não se prende somente ao mundo do rap e isso ficou provado no disco “Espiral de Ilusão”. Lançado em abril, o álbum traz dez sambas inéditos, sendo oito deles compostos somente pelo Criolo. Esse trabalho traz todos os componentes necessários para um bom samba.

“Lá Vem a Morte” de Boogarins

Na terra dos sertanejos há uma banda de rock psicodélico que vem ganhando mais espaço a cada trabalho lançado. “Lá Vem a Morte” de Boogarins é um bom disco, mas que pode ser incompreendido pela sua escuridão e complexidade.

Dona Onete leva carimbó a nível nacional

Apesar do disco “Banzeiro” ter sido lançado em 2016, a voz de Dona Onete ecoou fora do Pará em 2017 quando suas músicas entraram para  trilhas sonoras de novelas da Globo. Com um ritmo contagiante, Dona Onete apresentou o carimbó ao restante do país que não conhecia esse alegre e dançante gênero paraense.  

A madura estreia solo de Tim Bernardes

O vocalista e guitarrista da banda O Terno lançou um excelente trabalho solo nesse ano. Sem deixar de lado a banda, Tim Bernardes presenteou os fãs com o disco “Recomeçar”. Dificilmente, ele poderia produzir essas canções na banda já que são composições que representam bastante pessoais. Então, vale a pena ouvir esse disco que é tão sensível, um dos melhores do ano.

Laila Garin e a Roda cantam clássicos

Dos palcos para o disco. O álbum homônimo da banda que une a atriz Laila Garin e os meninos d’A Roda apresenta clássicos da música brasileira. Eles vão de Caetano Veloso a Chico Buarque, passando por Roberto Carlos e Erasmo Carlos. Além disso, há a inédita “Sonhos Pintados de Azul”, ótima composição de Dani Black.

A “Caixinha de Música” da Vanessa da Mata

O segundo registro ao vivo de Vanessa Mata foi lançado em setembro e conta com 25 faixas. Além das inéditas “Gente Feliz”, “Caixinha de Música”, e “Orgulho e Nada Mais”, esse trabalho faz um apanhado de toda a carreira da cantora e está muito bem produzido.

Diego Moraes e o single “Muderno”

Gravado em plano-sequência, Diego Moraes dança, canta, beija meninas e meninos e diverte no clipe de “Muderno”. A música conta uma parte da vida do cantor quando ele era vendedor de uma loja de shopping e faz parte do primeiro CD autoral que será lançado no primeiro semestre de 2018.

“Não recomendados à sociedade”

Por falar em Diego Moares, ele faz parte do trio Não Recomendados ao lado de Caio Prado e Daniel Chaudon. E juntos, eles lançaram oficialmente a música e o clipe “Não Recomendado”. Com letra forte e gravação na Cracolândia de São Paulo, eles questionam os padrões morais, sociais e estéticas da sociedade.

“Gaya” de Tiê

Cada vez mais se aproximando da música pop, Tiê lançou o álbum “Gaya” com participações de Luan Santana, As Bahias e a Cozinha Mineira e Felipe Catto. Ele oscila entre o pop comercial e o folk. No final, um disco com possíveis hits e outras para agradar os fãs, sendo assim, bem democrático, o que é ótimo.

“Ficção” de Simona Talma

O álbum “Ficção” da cantora potiguar Simona Talma se destaca por passear entre o jazz, o blues e o rock, gêneros já presentes em outros momentos da carreira da cantora que também participa da banda Talma&Gadelha.

A forte Xênia França

R&B, Soul, Hip-Hop e Jazz. Tudo presente no disco de estreia de Xênia França. Denso e forte, o álbum “Xênia” discute diversos assuntos importantes como apropriação cultural e a negritude. O disco é consistente e com ótimas  batidas.

“Tu” de Tulipa Ruiz

Lançado de forma independente, Tulipa Ruiz apresentou aos fãs o disco “Tu” com músicas inéditas e regravações. Esse trabalho mostra a bela trajetória de Tulipa Ruiz até o presente. Um disco que vale a pena conferir.

Anitta e seu check mate

É inegável dizer que o ano de 2017 foi dela. Anitta terminou o ano entre os 100 cantores mais escutados do mundo e com duas músicas no TOP 50 Global do Spotify, “Vai, malandra” e “Downtown”. Ambas fizeram parte do projeto “CheckMate”, o qual a cantora lançava uma música e clipe inéditos por mês. J Balvin, Alesso e Poor Bear participaram do projeto. O grande desafio da cantora é consolidar a carreira internacional ao longo de 2018.

A qualidade musical brasileira é tão nítida que não cabe em uma lista dividida em duas partes, por isso, sabemos que não dá pra relembrar todos os bons trabalhos do ano nesse post (nem tínhamos essa pretensão). Então, conta para gente quem merece os aplausos e ficou de fora dessa lista.